IMPOSTOS: Pagá-los ou não?


1)- Transferência compulsória de dinheiro ao governo (no passado, também de mercadorias e serviços),
por parte de indivíduos ou instituições; tributo.
2)- Jur. Tributo exigido, independentemente da prestação de serviços específicos, ao contribuinte, pelo governo.

Alguns Impostos:

a) Imposto de exportação. Econ.
O que é cobrado pela União sobre o valor de produtos nacionais vendidos para o exterior.
b) Imposto de importação. Econ.
O que é cobrado pela União sobre o valor de produtos estrangeiros importados;
tarifa, tarifa alfandegária, tarifa de importação.
c) Imposto de renda. Econ.
. O que é cobrado pela União sobre os rendimentos de pessoas físicas e jurídicas [sigla: IR ] .
d) Imposto de transmissão causa mortis e doação. Econ.
O que é cobrado pelos Estados e Distrito Federal sobre heranças e doações [sigla: ITD ] .
e) Imposto de transmissão inter vivos. Econ.
O que é cobrado pelos Municípios e Distrito Federal sobre vendas de imóveis.
f) Imposto indireto. Econ.
O que incide sobre transações, como o imposto sobre produtos industrializados.
g) Imposto inflacionário. Econ.
Perda de valor real da base monetária (q. v.), causada pela inflação (a reposição desse valor, pela emissão adicional de dinheiro, provoca transferência de recursos da sociedade para o governo, equivalente a um imposto). h) Imposto predial e territorial urbano. Econ.
O que é cobrado pelos Municípios sobre o valor de imóveis urbanos [sigla: IPTU ] .
i) Imposto sobre circulação de mercadorias e serviços. Econ.
O que é cobrado pelos Estados e Distrito Federal sobre o valor de venda de mercadorias, deduzida a importância paga nas etapas anteriores de comercialização, e sobre serviços de transporte e comunicação [sigla: ICMS ] .
j) Imposto sobre operações financeiras. Econ.
O que é cobrado pela União sobre operações de crédito, câmbio, seguros e transações com títulos [sigla: IOF ] . k) Imposto sobre produtos industrializados. Econ.
O que é cobrado pela União sobre o preço de mercadorias industrializadas,
deduzida a importância paga nas etapas anteriores de transformação [sigla: IPI ] .
l) Imposto sobre propriedade de veículos automotores. Econ.
O que é cobrado pelos Estados e Distrito Federal sobre o valor de veículos [sigla: IPVA ]
m) Imposto sobre propriedade territorial rural. Econ.
O que é cobrado pela União sobre o valor de imóveis rurais [sigla: IPTR ] .
n) Imposto sobre serviços. Econ.
O que é cobrado pelos Municípios sobre serviços, exceto os de transporte e comunicação [sigla: ISS ] .
o) Imposto sobre vendas a varejo de combustíveis. Econ.
O que é cobrado pelos Municípios sobre vendas de combustíveis líquidos e gasosos,
exceto óleo diesel [sigla: IVV ] .

“Pagai a todos o que lhes é devido; a quem tributo,
tributo; a quem imposto, imposto...” Rm 13.7

O foco deste comentário são os impostos, taxas pagas por todos os cidadãos, de forma direta ou indireta ao governo. O Brasil é campeão nesta modalidade! A nossa carga tributária é uma das mais altas do mundo.
Acima está relacionado alguns dos muitos impostos devidos em nosso país.

Mas porque pagar impostos?
Afinal é uma carga tão elevada, e lamentavelmente vê-se a malversação de nossos governantes.

Não seria melhor encontrar uma forma de não contribuir?
Afinal os dias estão difíceis, o dinheiro tão escasso!
Mas para estes questionamentos, o Senhor Jesus fez questão de deixar exemplos vivos, que hoje são para o Povo Eleito uma norma de vida.
Não enquadrar-se nesta condição, certamente é pecar contra o Mestre. Veja:

“... Não paga o vosso Mestre... Mas, para que não escandalizemos,
vai ao mar, lança o anzol, e o primeiro peixe que fisgar, tira-o; e, abrindo-lhe a boca acharás um estáter. Toma-o, e entrega-lhes por mim e por ti. “ Mt 17.24-27

“... Dai, pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus.” Mt 22.15-22

Amados este é o exemplo maior que temos, e em sua simplicidade coloca luz sobre o assunto, não vêem a verdade os que preferem viver de forma errônea.

Sim, os imposto devem ser pagos!
Mas para aqueles que preferem não honrar tais compromissos, existe uma alternativa!
O famoso “Jeitinho Brasileiro”
Que na verdade é uma forma infeliz de burlar as leis constituídas; É uma prática intensamente utilizada pelo povo, especialmente para encontrar atalhos para os caminhos determinados, pelas muitas leis vigentes.

E o cristão, como deve agir em meio a tudo isto?
Deve adotar o chamado “Jeitinho Brasileiro”?

Não há duas respostas para estas perguntas:
Ou você é uma pessoa que honra seus compromissos, com o Senhor e com as autoridades e governantes de nossa nação; ou Está nas fileiras dos chamados Sonegadores.

Em falta diante dos homens e do Senhor Deus.

Para os sonegadores, são muitas as alternativas de excluir-se do pagamento de impostos.
Por exemplo:
Suborno ou propina (Pv 17.23; Ex 23.8) Esta é uma prática usada em diversos aspectos.
Mas seja qual for o objetivo é taxativamente condenadas pelo Senhor.
Mas tanto esta como as demais formas de burlar as leis são contrárias à vontade do Mestre. Portanto, inadmissível o seu uso por aqueles que buscam colocar a vontade do Senhor como sua própria vontade.

Servo fiel, não desonre o Senhor nesta questão, seja uma pessoa de bem e sábia.

Elias R. de Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário