Voltando pra casa do pai


E caindo em si, disse: Quantos trabalhadores de meu pai tem abundância de pães eu aqui pereço de fome! Lucas 15:17


Filho ProdigoUma fraze que muitos esperam ouvir é " Estou voltando pra casa do Pai " vamos entender logo mais afrente qual o motivo desse desejo que traz alegria ao um Pai ! Muitos são os homens que por diversos os motivos assumem uma condição de vida que o leva a cada vez mais distante da felicidade, e sem perceber vão para o fundo do poço e a cada dia são destruídos. 

Todos nos temos conhecimento do que certo e errado, desde a infância somos ensinados o melhor caminho, depois de uma certa idade, é natural façamos as nossas escolhas e quais os caminhos queremos andar, a quem seguir, onde e com quem, nos somos responsáveis por nossas escolhas seja uma religião, profissão, esposa ou marido, criamos nossos estilos e gostos.


Fazemos planos em nossa vida, e podemos ser surpreendidos pelas nossas vontades, e principalmente quando damos espaços aos nossos desejos de liberdade, autossuficiência, independência ,quando sentimos ser senhor, o dono do próprio nariz, e fazer o que quiser da sua da sua vida. E abster do convívio familiar, que passa a não ser mais prioridade, ignorar costumes, culturas, princípios e valores morais.


 Começa viver uma vida individual e egoísta, talvez queira recuperar o tempo perdido, rompem laços, casamentos, família, amigos, trabalho, igreja e partem em busca de prazer.


 Inicia-se uma vida agitada de farra em farra, rodeado mulheres e prostitutas, bebedeiras, motéis, gastando o tem e consumindo tudo o que lhe é oferecido, procurando mais prazer no culto ao corpo, no culto a si mesmo, em seu próprio deleite.


 Na procura de felicidade, uma satisfação de seus próprios instintos cria-se quase que um buraco negro em seu peito que segue devorando todos os recursos físicos e psicológicos na tentativa de preencher de alguma forma esse imenso e doloroso vazio.


 Seu caráter fora corrompido, já não é o mesmo de quando saíra de casa, em seus lábios faltam verdade, os amigos descartáveis, mas ainda assim tenta encontra prazer mesmo num abismo.
Sem esperança, sem identidade, sem respeito ou credito, vê a sua vida passar e como as ondas do mar e levada de um lado para o outro, sem rumo e já escravizado, não mais e senhor de sua vida e como uma marionete nas mãos de Satanás que veio se não para roubar matar e destruir.

Há limites para o prazer humano, Há limites para o prazer carnal. Uma vaidade de culto ao corpo e ao prazer nunca poderá trazer a verdadeira felicidade.

 A bíblia nos relata um rapaz filho de um fazendeiro e pede sua parte de sua herança antecipada, cheio de dinheiro saiu de casa e entregou a sua vida aos prazeres do pecado, prostituição, bebida e a tudo da época, depois de gastar todo seu dinheiro, todos aqueles que se diziam seus amigos o abandonaram .

Sem alternativas o moço foi trabalhar a alimentando os porcos. No AT esses animais eram considerados imundos e impróprios o consumo ou sacrifício, para se proteger da contaminação desses animais, os judeus sequer tocavam em porcos. Rebaixar-se a condição de alimentar esses animais era uma grande humilhação para um judeu.

O filho mais moço de um bem sucedido fazendeiro que viveu uma vida de fartura, e desejar alimentar-se da mesma comida e fora tocada pelos porcos, isso é uma degradação além da imaginação este havia naufragado e submergido as profundezas.



O Grande despertar


 O filho "Pródigo caiu em si", e lembrou que na casa do seu pai os empregados têm abundancia de pão eram bem alimentados e ele passava fome. E este cair em si, que satanás tenta impedir que aconteça com todos os seres humanos, ele cega todo o entendimento dos homens para que todos façam a sua vontade, respondendo somente a seus instintos, emulações, vontades carnais e nunca reconheçam o seu estado pecaminoso.


 Quando estamos vivendo uma vida de pecado esquecemo-nos de como éramos antes, e o quanto éramos felizes. Foi preciso passar pelas piores situações de sofrimento, tragédia, dores, fracasso, miséria e muito mais antes de recuperar o juízo, e olhar para o único capaz de resgata-lo, traze-lo de volta a vida e coloca-lo novamente de pé.


 Com o coração cheio de arrependimento ele decide retornar a casa de seu pai. Um pai que nunca esquecera o seu filho esteve sempre a sua espera, e ao avista-lo de longe o filho, foi o pai a seu encontro, e, correndo lançou em seu pescoço e o abraçou e beijou.

Pai do filho Prodigo

Um pai misericordioso, bondoso de amor, que oferece perdão sem pedir nada em troca. Um pai que se move de intima compaixão pelo seu filho perdido.
E caindo em si, disse: Quantos trabalhadores de meu pai tem abundância de pães eu aqui pereço de fome! Lucas 15:17
 Um pai que desde o principio se portou com uma atitude contra os princípios judaicos, na época de Jesus, a família era baseada no formato patriarcal, o pai judeu era o pai dono da fazenda, o pai patrão , senhor da família e de as todas as decisões, nenhum filho ousaria questionar a autoridade com pena de ser deserdado, banido do seio familiar e de suas heranças além de ser mal visto por todos.

 O pai do filho prodigo transbordando de alegria mandou que seus servos trouxesse depressa a melhor roupa pra vesti-lo, e colocassem um anel em seu dedo e sandálias para calçar os pés, e que trouxessem um bezerro cevado para que todos comessem e se alegrassem houve uma grande festa.


 O pai, nesta parábola, ao dar ao filho a melhor roupa, estava dizendo: Você não será apenas meu jornaleiro, muito menos meu escravo, você é e continua sendo meu filho. E, com isto, o pai restituiu ao filho a posição privilegiada que ele tinha perdido, colocando-o no topo da pirâmide social. Que coisa linda! É exatamente isto que Deus faz àqueles que se voltam para Ele, o Senhor nos veste com vestes de justiça e de santidade! Ele quer que sejamos identificados e reconhecidos como Seus filhos, como Seu povo!


 Dar ao filho o anel era a maior declaração de perdão por parte do pai. O pai estava constituindo aquele filho como o gerente de sua fazenda e de seus negócios. Estava dando a ele autoridade para administrar seus bens. Mesmo o filho ter lhe causado prejuízo, ao gastar um terço de seus bens, desperdiçando-os pelo mundo a fora, o pai declarava, com aquele gesto, seu perdão e sua confiança.

 As sandálias representavam liberdade e luxo. Só os livres podiam usá-las. Os escravos andavam descalços. O pai estava dando ao filho o direito de entrar e sair quando quisesse. O crente não pode e não deve viver descalço - Não deve andar com o espírito abatido como se escravo fosse. Somos livres, somos filhos, somos herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo...


 A parábola do filho prodigo podemos entender que o pai e Deus e o filho prodigo pode ser ou ter sido você, talvez tenha um amigo ou parente vivendo nesta mesma situação, esse pai da parábola nunca esqueceu o seu filho que quando decidiu voltar o pai estava de braços abertos a sua espera se alegrou pois seu filho estava morto e agora reviveu, tinha-se perdido e agora e foi achado. Da mesma forma Deus pode esta a sua espera nesse momento ou de alguém que você conhece esteja no fundo do poço e você pode ajuda-lo a voltar pra casa pense nisso.



 Pois bem, gostaria que você entendesse que Deus e mais do que você possa imaginar, ele é seu pai, um pai misericordioso, um pai de amor. Ele é seu PAI e te ama incondicionalmente.




 Obs: Apenas o trecho onde explica o significado da roupa, anel e sandália foi usado em nosso artigo para por sua riqueza em detalhes tendo como autor o presbítero Sandoval Juliano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário