Historia da Igreja - A Era Sombria

A ERA SOMBRIA



Era sombria da igreja - igreja perseguida

 Serie Celebração aos 500 da Anos da Reforma Protestante

A última geração do primeiro século, a que vai do ano 60 ao 100 AD, chamamos
de "Era Sombria", em razão de as trevas da perseguição estarem sobre a igreja, e a
falha de muitas informações sobre este período.


Razões das Perseguições da Igreja

Ao longo dos primeiros três séculos do cristianismo havia tanto competição
entre as religiões como o espírito de tolerância. Embora nunca tomaram recursos de
armas para se defenderem, os cristãos foram o único elemento social perseguido por
período prolongado

A falta de participar em festas e ritos idolatras dos templos bem como sua
hostilidade a outras religiões levou o mundo da época consideram os cristãos de ateus
e inimigos dos deuses. Também os cristãos passaram a se reunir de noite e em segredo
e começaram a mostrar afeição uns pelos outros. Ao mesmo tempo celebravam a ceia
do Senhor (comer o sangue e o corpo de Jesus) deu margem às acusações de
antropofagia ou canibalismo.

Assim durante década foi lhes atribuído as seguintes acusações: ateísmo,
licenciosidade e canibalismo.
O cristianismo chocou as sensibilidades dos filósofos e mais educados
justamente pelo entusiasmo de seus adeptos. Pior, entraram em conflito com os
vendedores de ídolos e os comerciantes da idolatria. Trouxe assim contra eles a má
vontade duma classe poderosa.

O Paganismo em suas práticas aceitava as novas formas e objetos de adoração
que iam surgindo, enquanto o Cristianismo rejeitava qualquer forma ou objeto de
adoração.
A adoração aos ídolos estava entrelaçada com todos os aspectos da vida. As
imagens eram encontradas em todos os lares, e até em cerimônias cívicas, para serem
adoradas. Os cristãos, é claro, não participavam dessas formas de adoração. Por essa
razão o povo considera os cristãos como " Anti-social e ateus que não tinham deuses.
A adoração ao Imperador era considerada como prova de lealdade. Havia
estátuas dos imperadores reinantes nos lugares mais visíveis para o povo adorar. Os
cristãos recusavam-se a prestar tal adoração.


As reuniões secretas dos cristãos despertaram suspeitas. De praticarem atos
imorais e criminosos, durante a celebração da Santa Ceia, eram vetada a entrada dos
estranhos.
O Cristianismo considerava todos os homens iguais. Não havia distinção entre
seus membros, nem em suas reuniões, por isso foram considerados como " niveladores
da sociedade ", portanto anarquistas, perturbadores da ordem social.

Perseguição sob Nero

Nero chegou ao poder em 54, todos os que se opunham à sua vontade, ou
morriam ou recebiam ordens de se suicidar.
Assim estavam as coisas quando em 64 AD aconteceu o incêndio em Roma.
Diz-se que foi Nero, quem ateou fogo à cidade, Contudo essa acusação ainda é
discutível. Entretanto a opinião pública responsabilizou Nero por esse crime. Afim de
escapar dessa responsabilidade, Nero apontou os cristãos como culpados do incêndio de
Roma, e moveu contra eles tremenda perseguição. O fogo durou seis dias e sete noites e
depois voltou a se acender em diversos lugares por mais três dias.
- Milhares de cristãos foram torturados e mortos.
- Muitos serviram de iluminação para a cidade, amarrados em postes e ateado fogo.
- Muito foram vestidos com peles de animais e jogados para os cães.
- Nesta época morreram :
- Pedro - Crucificado em 67
- Paulo - Decapitado em 68
- Tiago - Apedrejado depois de ser jogado do alto do templo
Além de matá-los fê-los servir de diversão para o público.


A Perseguição sob Domiciano

No ano 81 Domiciano sucedeu ao imperador Tito que invadira destruíra
Jerusalém no ano 70. Com a destruição de Jerusalém Domiciano ordenou que todos os
judeus deviam enviar à Roma as ofertas anuais, que eram enviadas a Jerusalém, estes,
por sua vez não obedeceram, o que desencadeou a segunda perseguição, não somente
aos judeus mas também aos cristãos.
Durante esses dias milhares de cristão foram mortos, especialmente em Roma e
em toda a Itália. Nesta época o apóstolo João, que vivia em Éfeso, foi preso e exilado na
ilha de Patmos, foi quando recebeu a revelação do Apocalipse.
Promoveu uma perseguição muito severa em Roma e na Ásia Menor, as duas
onde o cristianismo parece ter se expandido mais até então. Esta perseguição parece
ter acontecido um pouco antes da sua morte. Envolveu a morte do cônsul Flávio
Clemente e sua esposa Flávia Domitila.

O Próximo post traremos a perseguições imperiais. Clique aqui e leia

Nenhum comentário:

Postar um comentário