MARTINHO LUTERO (1483‐1546) Ea Reforma Protestante



Biografia matinho Lutero e reforma protestante




Com certeza este é o maior nome da reforma protestante, sua vida e trabalho têm grande importância em todo o mundo, para alguns psicólogos ele era
prepotente, arrogante e egocêntrico, para a cristandade o homem que revolucionou todo o sistema religioso.

Martinho Lutero nasceu em 10 de novembro de 1483, em Eisleben, Saxônia‐Turíngia, na Alemanha. Desde sua infância foi religioso, seu pai trabalhava nas minas e lhe deu uma educação rigorosa baseada na obediência e piedade. Foi estudar na cidade de Magdeburgo e Eisenach, mais tarde ingressaria na universidade de Erfurt onde iniciou o curso de direito. Saiu da universidade em 1505. A contra gosto de seus pais entrou para o mosteiro dos Agostinianos na cidade de Erfurt onde estudou teologia por dois anos, foi ordenado em 1507. Foi convidado a lecionar na universidade de Wittemberg sob custódia do vigário geral dos Agostinianos Johann von Staupitz, que em 1511 o enviou a Roma.

Mesmo antes da  viagem  Lutero já  andava  descontente  com  algumas práticas da igreja, tentava  através da  autoflagelação, do jejum  e  das orações encontrar paz para seu coração.

Com a mente cheia de dúvidas e a alma ansiosa por algo quer lhe trouxesse tranqüilidade, Lutero foi a Roma. O papa da época era Júlio II (1503‐1513), chamado o “papa guerreiro” devido sua liderança pessoal de exércitos, foi nomeado cardeal por seu tio o papa Sisto IV que também lhe conferiu altos cargos eclesiásticos, chegou ao papado após comprar o cargo por grande soma de dinheiro.

Lutero em Roma viu e ouviu coisas que não o animaram muito mas mesmo assim visitou muitas igrejas e viu as relíquias que segundo a tradição da igreja que diz que somente por contemplá‐las muitos pecados eram perdoados; subiu a “Scala Sancta” que segundo a tradição foi trazida da casa de Pilatos e supostamente Jesus havia subido por ela sendo acompanhado pelos soldados, subindo de joelhos, em cada degrau o fiel devia rezar um pai nosso, tudo isso servia de indulgência para perdão de pecados de vivos e de mortos e Lutero o fez para que seu pai fosse tirado do purgatório. Ao chegar no topo da escada disse: “Quem sabe se tudo isso é verdade?”.


Após o retorno de Lutero de Roma a Wittenberg, ele fez a descoberta de sua vida, ao ler as Escrituras no livro de romanos “o justo viverá pela fé” (Rm1:17) e sobre isso relatou:

“Noite e dia eu ponderei até que vi a conexão entre a justiça de Deus e a afirmação de que ‘o justo viverá pela fé’. Então eu compreendi que a justiça de Deus era aquela pela qual, pela graça e pura misericórdia, Deus nos justifica através da fé. Com base nisto eu senti estar renascido e ter passado através de portas abertas para dentro do paraíso. Toda a Escritura teve um novo significado e, se antes, a justiça me enchia de ódio, agora elase tornou para mim inexprimivelmente doce em um maior amor. Esta passagem de Paulo se tornou para mim um portão para o céu...”.

Sua vida mudaria, ele que até então buscava uma resposta que o justificasse diante de Deus entendeu pela revelação do Espírito Santo que o homem não é justificado por suas ações, pagamento de indulgências ou a adoração das relíquias da igreja mas tão somente por crer no sacrifício vicário de Jesus Cristo.


A partir de então começa uma verdadeira inquietação na alma de Lutero, não que esta não houvesse no que se refere às praticas da igreja, porém agora ele tinha uma convicção daquilo que antes era apenas uma dúvida, a igreja estava totalmente fora dos padrões bíblicos. Os seus conceitos sobre salvação e vida cristã mudaram radicalmente provocando uma reação imediata de sua parte.

Em 1517 Lutero ainda residia em Wittenberg e próximo à sua cidade veio um frade dominicano chamado Johann Tetzel   que enviado pelo arcebispo Alberto da Mogúncia trazia indulgências para serem vendidas, o dinheiro serviria para a construção da Basílica de São Pedro. 
As indulgências davam direito para aos mortos que estivessem no purgatório serem enviados diretamente para o céu. Dizia Tetzel, para os parentes de pessoas mortas:
 “Quando o dinheiro cair no cofre da igreja a alma vai direto para o céu”. Vinham pessoas de todas as localidades para comprar as indulgências que também davam direito ao perdão de todos os pecados cometidos e os vindouros. Chegando ao conhecimento de Lutero, este ficou indignado e decidiu enfrentar tamanha mentira.

Esta provavelmente foi à gota d’água para que a reforma explodisse na Alemanha.
A condição em que se encontrava a igreja era inadmissível, tudo havia chegado num ponto insustentável, e foi na manhã gloriosa de 31 de outubro de 1517, véspera do dia de todos os santos que Lutero afixou na porta da catedral de Wittenberg as noventa e cinco teses que redigira contra as práticas papais e as indulgências.  Clique "AQUI" e leia as  principais e as 95 teses:

Rapidamente as teses se espalharam por toda a Europa através de cópias que foram feitas por adeptos das idéias de Lutero. Myconius, contemporâneo
de Lutero chegou a afirmar que: “As teses em apenas quinze dias percorreram quase toda a cristandade, como se os anjos fossem os mensageiros”.



Cumprimento da profecia de John Huss

 John Huss foi preso e condenado em 1415 a fogueira na cidade de Constança, e no momento de seu martírio enquanto as chamas subiam disse algo que naquele momento parecia ser um delírio devido à dor das queimaduras “vocês podem matar o ganso (huss em alemão) mas virá um cisne o qual não poderão matar”, esta palavra se referiaa Martinho Lutero que noventa e oito anos depois pregava as 95 teses na porta do castelo da cidade de Wittenberg .


A EXCOMUNHÃO DE LUTERO

Aquela manhã iria mudar muitas coisas na vida de Lutero, o papa Leão X o intimou a comparecer em Roma, Lutero não se abalou no entanto Frederico o
eleitor da Saxônia não permitiu que ele fosse por temer por sua vida.

O apoio dos nobres foi muito importante para a reforma, como vimos anteriormente estes já estavam cansados de ter que obedecer a Roma sob liderança
do papa, declararam então que o caso seria resolvido na própria Alemanha. As tentativas do papa em persuadir Lutero a se retratar de suas idéias e pregações foram em vão já que mandava constantemente clérigos de Roma para debaterem com ele. 

Em 1519 é chamado para um debate na cidade de Leipzig contra Eck onde afirmou suas convicções declarando que o papa não possuía a autoridade divina e que suas decisões eram falíveis, isso marcaria o rompimento definitivo de Lutero com a igreja católica . 

Ao invés de se calar Lutero escreveu três obras de grande importância sendo elas   “Apelo à Nobreza Germânica” (contra a hierarquia romana), “O Cativeiro Babilônico” (contra o sistema sacramental de Roma) e “Sobre a Liberdade do Homem Cristão” (afirmando o Sacerdócio de todos os crentes). Em 1520  revelar‐se como um líder nacional em prol da Alemanha, seu livro “apelo à Nobreza Germânica” desencadeou um espírito nacionalista, causando a emissão da bula papal “Exsurge domini” que o ameaçava de excomunhão, esta declarava que Lutero e os seguidores de seus ensinos deveriam retratar‐se de suas “heresias”.

A resposta de Lutero foi dada no dia 10 de dezembro de 1520 quando Phillip melanchton convidou todos os estudantes da universidade a assistirem a queima da bula papal em praça pública juntamente com os livros de direitos canônicos da Igreja.

Tudo chegara ao limite, o rompimento de Lutero e a indignação do papa fizeram com que em Janeiro de 1521 Lutero fosse intimado a comparecer em
Worms para ser julgado por um tribunal secular, no entanto o imperador Carlos V não pode permitir devido grande apoio que Lutero recebia dos príncipes
por isso convocou uma assembléia chamada “Dieta de Worms”.

Foi levado a Worms e no dia seguinte uma comitiva formada pelo delegado do papa, seis eleitores do império, vinte e cinco duques, oito margraves, trinta cardeais e bispos, sete embaixadores, os deputados das dez cidade do império e muitos condes, príncipes e barões. Diante dos lideres da igreja, do imperador e do papa foi pressionado retratar‐se  porém respondeu:

“A não ser que alguém me convença pelo testemunho da Escritura Sagrada ou com razões decisivas, não posso retratar‐me. Pois não creio nem na infalibilidade do papa, nem na dos concílios, porque é manifesto que freqüentemente se tem equivocado e contradito. Fui vencido pelos argumentos bíblicos que acabo de citar e minha consciência está presa na Palavra de Deus. Não posso e não quero revogar, porque é perigoso e não é certo agir contra sua própria consciência. Que Deus me ajude. Amém.”

Os debates duraram dois dias. Era noite de 14 de Abril de 1521, e Lutero foi considerado herege e excomungado da igreja. Sua execução só não foi imediata devido a proteção dada pelo príncipe da Saxônia que simulando um seqüestro o escondeu no castelo de Wartburgo, adotando o nome de Cavaleiro Jorge se escondeu o tempo suficiente para traduzir o novo testamento em apenas três meses, dando origem ao alemão como língua nacional.


Após ser o grande pivô da reforma escreveu em 1520 três célebres livros os quais mais tarde formariam as bases para o luteranismo An den christlichen
Adel deutscher Nation (A nobreza cristã da nação alemã), De captivitate Babylonica ecclesiae praeludium (Da servidão babilônica da Igreja), escrito em
latim e dirigido a clérigos e intelectuais, e Von der Freiheit eines Christenmenschen (Da liberdade de um cristão). Sua maior obra com certeza foi a tradução da bíblia para o alemão.



Negando o celibato imposto pela igreja em 1525 casou‐se com a Ex‐freira Katherina von Bora.


Lutero morreu na cidade de Eisleben em 18 de fevereiro de 1546, sua esposa permaneceu viúva falecendo em 1552.

Nenhum comentário:

Postar um comentário